Get Adobe Flash player
Google
web neste site




Benzodiazepínicos

Esse grupo de substâncias começou a ser usado na Medicina durante os anos 60 e possuem similaridades importantes com os barbitúricos, em termos  de ações farmacológicas, com a vantagem de oferecer uma maior margem de segurança, ou seja, a dose tóxica, aquela que produz efeitos prejudiciais à saúde, é muitas vezes maior que a dose terapêutica.

             
                                                               Diazepam

Atuam potencializando as ações do ácido gama-amino-butírico, o principal neurotransmissor inibitório do Sistema Nervoso Central.

Os benzodiazepínicos podem ser classificados de acordo com o tempo de meia vida, isto é, o tempo que a droga permanece na corrente sangüínea até até que a metade dela tenha sido eliminada.
  • Longa duração (diazepam, flurazepam)
  • média duração (lorazepam, alprazolam)
  • curta duração (triazolam, flunitrazepam, temazepam)
Os benzodiazepínicos de curta duração são os que apresentam o maior potencias de abuso

Principais efeitos no organismo:
  • diminuição da ansiedade
  • indução do sono
  • relaxamento muscular
  • redução do estado de alerta
  • dificuldade nos processos de aprendizagem e memória
O uso regular de benzodiazepínicos produz:
  • sonolência, vertigem e confusão mental
  • dificuldade de concentração e de lembrar de coisas
  • náusea, dor de cabeça, alteração do andar (cambaleante)
  • problemas de sono
  • ansiedade e depressão
  • tolerância e dependência, após poucos meses de uso
  • sintomas significativos de abstinência, na retirada abrupta do medicamento
  • overdose e morte, principalmente se usado com o álcool que  potencializa substancialmente seus efeitos no organismo
Efeitos tóxicos

São medicamentos relativamente seguros em termos de efeitos tóxicos, sendo que a dose prejudicial é cerca de 20 vezes maior que a terapêutica. Porém, essa segurança não ocorre em relação ao alto risco de provocar dependência que  essas substâncias provocam.

Principais efeitos tóxicos:
  • Hipotonia muscular (dificuldade para ficar de pé e andar)
  • diminuição da pressão sangüínea, com risco de morte
A Organização Mundial de Saúde recomenda a prescrição dos benzodiazepínicos por períodos entre 2 a 4 semanas, no máximo, e apenas nos quadros de ansiedade ou insônia intensas.

É comum haver tolerância a esses medicamentos, isto é, a pessoa precisa aumentar a dose que foi inicialmente recomendada pelo médico para obter o mesmo efeito.

Quando alguém se torna dependente de benzodiazepínicos, isto é, não consegue ficar sem usá-los, se parar repentinamente pode causar um conjunto de sintomas, como: agitação, insônia, tremores, irritabilidade, sudorese, dores de cabeça e, eventualmente convulções. Esses conjunto de sintomas são chamados de "Sindrome de abstinência".

Embora a compra desse medicamento seja controlada (só pode ser vendido com um receituário especial, chamado de notificação B, que tem a cor azul), essas substâncias são bastante abusadas. Em muitos casos são prescritas indevidamente e o seu uso é prolongado acima das 4 semanas recomendadas pela OMS. E as mulheres são as que mais abusam desse medicamento.



Get Adobe Flash player